segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Poesia para Pais

Praia das Maçãs

Carmo, 2008

LIBERDADE

Aqui nesta praia onde
Não há nenhum vestígio de impurezas,
Aqui onde há somente
Ondas tombando ininterruptamente,
Puro espaço e lúcida unidade
Aqui o tempo apaixonadamente
Encontra a própria liberdade.

Sophia de Mello Breyner

14 comentários:

Mário disse...

Quando eu morrer voltarei para buscar
Os instantes que não vivi junto do mar
De todos os cantos do mundo
Amo com um amor mais forte e mais profundo
Aquela praia extasiada e nua
Onde me uni ao mar, ao vento e à lua.

Sophia

Sophia, a admirável Sophia. Eterna, como Pessoa, Eugénio de Andrade, António Gedeão ou Antero.
E tantos outros. Jorge Reis-Sá, Alexandre O´Neill, Régio.

Que tal fazer uma recolha dos poemas sobre o Mar, escritos em português? Há uma Antologia do Jorge Letria, mas não acho que seja uma maravilha...

Fica o desafio (já são tantos...).

Teresa disse...

Desviando-me do mar,mas continuando com Sophia...

"Deus escreve direito por linhas tortas
E a vida não vive em linha recta
Em cada célula do homem estão inscritas
A cor dos olhos e a argúcia do olhar
O desenho dos ossos e o contorno da boca
Por isso te olhas ao espelho:
E no espelho te buscas para te reconhecer
Porém em cada célula desde o início
Foi inscrito o signo veemente da tua liberdade
Pois foste criado e tens de ser real
Por isso não percas nunca teu fervor mais austero
Tua exigência de ti e por entre
Espelhos deformantes e desastres e desvios
Nem por um momento só podes perder
A linha musical do encantamento
Que é teu sol tua luz teu alimento"

Mário disse...

Sophia é um mundo, um universo. É a sensibilidade da Terra Mãe, a determinação da leoa, a crença dos que sabem da justeza, a simplicade dos nobres, a beleza dos que estão para lá da morte física.

Vejo tantas mães que titubeam perante professores, educadores, patrões, escolas, maridos, filhos, vida social. Que exibem uma confrangedora falta de coragem, uma fraqueza própria dos indigentes de espírito, uma parca noção da força que as Mulheres devem ter.

Deviam ler Sophia, como Natália Correia ou Florbela Espanca. Ou seguir os exemplos de vida de Maria de Belém, Helena Roseta, Snu Abecasis, Maria de Lurdes Pintasilgo e tantas outras, concorde-se ou não com a ideologia ou as ideias políticas.

Precisam-se urgentemente mulheres com M maiúsculo. Muitas das que tentam, limitam-se a imitar o que os homens têm de pior: a arrogãncia, a jactãncia, a soberba.

A Terra é Mãe: quando no-la devolverão, nas formas das mulheres?

Carmo disse...

E para os filhos começarei a ler por capítulos, "A Menina do Mar"
...o polvo, o caranguejo e o peixe, e a raia... sempre detestei raias, vá se lá saber porquê!

Carmo disse...

Teresa, Mulher, Mãe

"Nem por um momento só podes perder
A linha musical do encantamento
Que é teu sol tua luz teu alimento"

Obrigada

Francisca disse...

Cácá,

Lê-lhes antes a Fada Oriana. Sempre gostei mais e é menos conhecido. E tão emocionante a parte em que ela vai a cair do precipício e se esquece que não tem asas.....

Aposto que vão adorar.

Carmo disse...

Não sei se a Fada Oriana, que também gosto muito (quando se vê ao espelho no lago, o poeta), eles acham tanta graça.

A Menina do Mar tem tanta aventura...

Mário disse...

Carmo
Filetes de raia com arroz de tomate é óptimo.

PS: sei o que está a pensar... mas ainda estou aqui no ESCA, e com a gripe está para durar... as ideias ficam para Janeiro!

Carmo disse...

Que lata!!!

P.S: Não sei se me convence, o que gosto mesmo é de Joaquinzinhos com arroz de tomate ou de grelos a fumegar, é mesmo Inverno.

Francisca disse...

Logo vi, neste blogue começa-se a falar de poesia e passa-se logo aos comes e bebes.

Ele é filetes de raia, joaquinzinhos com arroz de tomate, eu sei lá...
E já agora, porque não contar a Menina do Mar também com as devidas referências gastronómicas.
Tipo:
"Era uma casa com 7 janelas, mesmo ao lado da marisqueira Sol e Mar.
Havia um polvo à lagareiro, um caranguejo à moçambicana e um peixe assado no forno...."
E daí por diante.

Pelo menos aliavam-se as artes: a literatura à gastronomia e a poesia à sensibilidade do palato.

Pronto lá estou eu a fazer de Menino Tonecas. É a tal história de experimentar dizer disparates para não termos de crescer.
Bem haja esta arte!

Mário disse...

Francisca
Ou dizer disparates para continuarmos a crescer... saudáveis.
Mas numa coisa concordo: há uma tendência gastronómica dominantes neste Blogue.
Mas a nossa Directora, sendo "psi", poderá dizer o que isso significa...

Su disse...

A "Menina do Mar" foi o primeiro livro verdadeiramente meu! Recebi-o com uns 7 anos como 1º prémio com um poema que fiz sobre o outono e estraguei-o de tanto o ler!

Desejo a todos um excelente 2009 e deixo um beijo especial a este colégio com nome de Santa! Há tempos atrás pedi um milagre para o meu filho e, sem o esperar, Santa Maria abriu os seus braços e acolheu o meu tesouro de uma maneira extraordinária!

Beijinhos!

Elisete disse...

Estou a ver que tenho perdido umas conversas muito interessantes …
Mas agora já estou outra vez no activo, pelo menos já consigo ler, a voz é que continua perdida, sabe-se lá onde …
Quanto ao peixe, venham lá os filetes e os joaquinzinhos e o que mais houver, então se for uma dourada escalada e bem grelhada, mais não digo! Quanto ao arroz de tomate, aconselho o do Manjar do Marquês em Pombal.
Um excelente 2009 para a nossa Directora, para as nossas Educadoras, Auxiliares, Toia e todos os Pais e Mães do Sta Maria e Sta Teresinha e, claro, para as nossas “Criaturinhas”!

joaninha disse...

Amigos

Ao olhar esta foto deixada pela Carmo (mar, mar que me acalmas...)venho fazer um pedido para 2009:

" Vinde Espírito Santo,
E dai-me o dom da alegria
Para perfumar os meus ambientes
Com o sorriso e bom humor."

...Essa alegria que vem do AMOR que tudo pode!

Abraços da Joaninha~~~voa~~a~~voa~~


Rezinho de Blogue: Estou a fazer uma recolha de poesia sobre os rios ( na investigação já caíram no meu regaço uns sobre o mar - servem para a troca...). se caírem alguns no vosso colo e queiram partilhar...