segunda-feira, 31 de março de 2008

Miffy e a Multiculturalidade...

A Graça Bagão trouxe para a sala uma história nova da personagem preferida dos meninos da sala. Chama-se "Miffy e Melanie". Elas são amigas correspondentes e comunicam por carta. Miffy é branca como a neve e Melanie é castanha como o chocolate. Um dia Miffy tem uma surpresa! Melanie tem curiosidade em conhecer a cidade de Miffy e por isso decide visitá-la. Miffy recebe a amiga com todo o carinho (tal como os meninos da sala receberam os colegas recém-chegados!). Bricaram e divertiram-se muito juntas! Durante a visita de Melanie, Miffy descobre uma coisa:


" À noite, ao tirar a roupa
a Miffy disse aos seus pais:
- somos diferentes na cor,
mas no resto somos iguais!"

... E vitória, vitória acabou-se a história! (E do tapete os meninos diziam: - Mais, mais!)

Obrigado aos Pais da Graça por trazerem um livro que aborda o tema do projecto educativo!
Vanda Seguro
Externato Santa Maria do Mar

sábado, 29 de março de 2008

Conta a Lenda 5

Segundo o que ouvimos, conta a lenda...
...que, certo dia, lá para os lados de Almeirim passou um Frade que, com muito jeitinho, conseguiu convencer quem não lhe queria dar nada, a proporcionar-lhe uma refeição a valer.

Depois de ouvirmos a Lenda da Sopa da Pedra, ficámos todos com água na boca. Combinámos então fazer um saboroso caldo, com a ajuda da Tóia. Depois das compras feitas na visita ao mercado, e de estudada a receita (a “da Tóia“, porque não nos entusiasmámos muito com os ingredientes da Sopa da Pedra original…), pusemos mãos à obra…

Juntámos os ingredientes,



Cortámos (com muito cuidado para não nos magoarmos…),


...Lavámos os legumes e pusemos no “caldeirão”.

Juntámos a água,

Sal,…

Azeite,

E pedimos à Tóia para pôr o repasto ao lume. Passados 30 minutos a sopa estava pronta para ser servida.E ficou uma delícia! Que o digam os meninos da Sala da Maria, que também comeram com agrado o nosso caldo.

Não pusemos pedras, mas também foi uma sopa muito rica!!

Externato Santa Maria do Mar

sexta-feira, 28 de março de 2008

Fantoches de Animais...
















O Guilherme Gávea trouxe para a sala uns fantoches de dedos! São animais como o sapo, o macaco, o elefante e o leão! Estes são os preferidos das crianças do grupo, mas ao todo são 10, um para cada dedo!...Enquanto nomeamos cada animal as crianças vão ao ficheiro de imagens mostrar onde está a fotografia do animal correspondente!

Estes fantoches fazem furor nas reuniões de tapete e todos lhes querem tocar!

Obrigada aos Pais do Guilherme por se terem lembrado de trazer os fantoches para partilhar com o grupo!

Vanda Seguro
Externato Santa Maria do Mar

Algumas Considerações Primaveris

Sabiam que...

E ainda...


E mais...


Acreditam que...
E que...

É verdade!!!

Sala da Cristina

Externato Santa Teresinha de Lisieux

quinta-feira, 27 de março de 2008

Hoje foi dia de compras…

Adiada, mas não esquecida, ficou a visita ao mercado de Arroios depois do São Pedro nos ter pregado uma partida.
Com uma tarefa bem definida, os dois grupos mais velhos do Externato Santa Maria do Mar desceram hoje a Alameda Dom Afonso Henriques, com destino à praça, onde tinham uma lista de compras para fazer.

Os mais novos procuravam legumes para fazerem sopa (não a da Pedra pois, quando souberam quais os ingredientes, torceram o nariz); os mais velhos, dedicados à doçaria da Região do Algarve, foram comprar laranjas para fazerem um bolo típico desta região.


Exemplares no comportamento, tanto no percurso como no local, foram muito bem recebidos pelos vendedores, que os presentearam com toda a sua simpatia e boa-disposição. E também com flores e cenouras (descascadas e lavadas para comerem como os coelhos), caldo verde, feijão e azeitonas.

Experiências destas são para se repetir! Gostaram muito e agora… mãos à obra! Vamos lá provar esses petiscos.

Ana Bagão
Externato Santa Maria do Mar

terça-feira, 25 de março de 2008

CENTÉSIMO POST

今天是一个特殊的日子:
感谢所有的小朋友们能喜欢和我们在一起,并能得到快乐。
感谢所有的父母能对我们的工作感到满意。
感谢所有的老师们能充满爱与乐趣地工作。
院长:卡勒穆


"Hoje é um dia especial:

Obrigado a todos os meninos por gostarem de estar connosco e serem felizes.

Obrigado a todos os pais por terem confiança em nós.

Obrigada a toda a equipa por ser tão carinhosa e divertida."

Tradução de Chinês para Português

Carmo

Páscoa no Mundo

Hoje estivemos a ver no Globo onde ficavam alguns Países do Mundo. A Ana explicou que a azul estava representada a água e a verde e castanho os Países e Cidades do Mundo.


Depois soubemos como festejavam a Páscoa nos outros Países.


Na China, o "Ching-Ming" é uma festividade que ocorre na mesma época da Páscoa, onde são visitados os túmulos dos ancestrais e feitas oferendas, em forma de refeições e doces, para deixá-los satisfeitos com os seus descendentes.

Na Europa, as origens da Páscoa remontam a bem longe, aos antigos rituais pagãos do início da primavera (que no Hemisfério Norte inicia em março). Nestes lugares, as tradições de Páscoa incluem a decoração de ovos cozidos e as brincadeiras com os ovos de Páscoa como, por exemplo, rolá-los ladeira abaixo, onde será vencedor aquele ovo que rolar mais longe sem quebrar.

Nos países da Europa Oriental, como Ucrânia, Estónia, Lituânia e Rússia, a tradição mais forte é a decoração de ovos com os quais serão presenteados amigos e parentes. A tradição diz que, se as crianças forem bem comportadas na noite anterior ao domingo de Páscoa e deixarem um boné de tecido num lugar escondido, o coelho deixará doces e ovos coloridos nesses "ninhos".

Nos Estados Unidos, a brincadeira mais tradicional ainda é a "caça ao ovo", onde ovos de chocolate são escondidos pelo quintal ou pela casa para serem descobertos pelas crianças na manhã de Páscoa. Em algumas cidades a "caça ao ovo" é um evento da comunidade e é usada uma praça pública para esconder os ovinhos.

No Brasil e América Latina, o mais comum é as crianças montarem seus próprios ninhos de Páscoa, sejam de vime, madeira ou papelão, e enchê-los de palha ou papel picado. Os ninhos são deixados para o coelhinho colocar doces e ovinhos na madrugada de Páscoa. A "caça ao ovo" ou "caça ao cestinho" também é utilizada.

Somos todos diferentes mas, ovos e guloseimas são uma constante nesta época!

Ana Bagão
Externato Santa Maria do Mar

domingo, 23 de março de 2008

BOA PÁSCOA

Coelhinho da Páscoa,

que trazes para mim?

Um ovo, dois ovos, três ovos assim...


Coelhinho da Páscoa,

que cores eles são?

Azuis, amarelos do meu coração!


Vidas de colégio

quinta-feira, 20 de março de 2008

Que Delícias...

O Lanche preparado pelos meninos para dia do Pai não podia deixar de fazer jus ao tema do projecto, e em particular ao nosso país. Autênticas iguarias que todos tanto aguardavam e que finalmente puderam provar...

Dia do Pai 2008

Externato Santa Maria do Mar

Dia de Todos os PAIS

Ontem foi Dia do Pai e, um pouco por todo o lado, encheram-se casas de sorrisos, beijos e abraços, num uníssono de alegrias vividas em Família.
Os colégios, por razões de calendário lectivo, festejaram o dia do Pai no passado dia 14 de Março, o último dia de actividades antes da interrupção das férias da Páscoa.

No Externato Santa Maria do Mar, pais e filhos foram os actores principais de um lanche onde reinou a alegria e a boa disposição. Tudo começou com um teatro que os meninos da Sala da Maria se propuseram a preparar quando ouviram falar em lanche para os Pais (a ideia de lanche associada a festa e a teatro!). E estas ideias são para dinamizar… «Vamos a isso», disseram as educadoras. Depois de alguma reflexão todos acordaram que, tendo um curto espaço de tempo - 3 dias - para a preparação e os ensaios, o melhor era fazer-se uma peça conhecida de todos. A Carochinha foi a eleita! Segundo a adaptação de Luísa Ducla Soares, os meninos da Maria presentearam, os Pais e os Meninos das outras salas, com uma peça curta mas muito divertida e bem representada.

[foto: www.omundofazdeconta.pt]

E depois… foi vê-los! Pais e Meninos a lanchar, a entregar e a receber prendas, a trocar mimos e sorrisos e a admirar trabalhos com a disponibilidade de tempo que só existe em dias de festa!

(Prenda elaborada pelos meninos da Vanda: a fotografia de cada Menino, exposta numa moldura pintada com as cores do Mundo)


(Prenda elaborada pelos meninos da Ana: um quadro de cortiça para afixar lembretes, recados e fotografias)

(Prenda elaborada pelos meninos da Maria:
uma tela, com temas alusivos a Lisboa)
1. O Quiosque

2. Janela

3. Eléctrico

E aqui deixamos uma palavra de agradecimento a todos os Pais que, com esforço, conseguiram deixar os trabalhos mais cedo e participar nesta iniciativa que o Colégio lançou. Aos mais pontuais e aos mais apressados, aos que chegaram à abertura do bolo e aos que ficaram com as ‘migalhas’, aos que ficaram mais tempo no colégio e aos que só puderam ficar 10 minutos, o nosso muito obrigado e um feliz Dia do Pai…

Externato Santa Maria do Mar

Primavera

Bom para ler e contar na Primavera.


" E posso ficar pensando que o mundo inteiro é assim: um lindo e eterno jardim"

Ziraldo

Externato Santa Teresinha de Lisieux

quarta-feira, 19 de março de 2008

DIA DO PAI


A TODOS OS PAIS UM BEIJINHO GRANDE DOS FILHOS

Vidas de colégio

terça-feira, 18 de março de 2008

A Flor

Pede-se a uma criança. Desenhe uma flor! Dá-se-lhe papel e lápis. A criança vai sentar-se no outro canto da sala onde não há mais ninguém.
Passado algum tempo o papel está cheio de linhas. Umas numa direcção, outras noutras; umas mais carregadas, outras mais leves; umas mais fáceis, outras mais custosas. A criança quis tanta força em certas linhas que o papel quase não resistiu.
Outras eram tão delicadas que apenas o peso do lápis já era de mais.
Depois a criança vem mostrar essas linhas às pessoas: uma flor!
As pessoas não acham parecidas estas linhas com as de uma flor!
Contudo, a palavra flor andou por dentro da criança, da cabeça para o coração e do coração para a cabeça, à procura das linhas com que se faz uma flor, e a criança pôs no papel algumas dessas linhas, ou todas. Talvez as tivesse posto fora dos seus lugares, mas, são aquelas as linhas com que Deus faz uma flor!
Almada Negreiros
Le Bouquet, Pablo Picasso 1958

Vidas de Colégio

quinta-feira, 13 de março de 2008

«Pê de Pai»

Amanhã vamos festejar nos colégios o Dia do Pai. Quem esteve atento à azáfama que se vivia nos corredores com os preparativos do grande dia, pôde perceber que se avizinha um grande festejo, onde os Pais (figura paternal) e os filhos serão os actores principais. E os meninos já estão ansiosos...

“-É hoje o dia do Pai?”.
“-Não, mas é já amanhã!”


A expectativa está ao rubro com a chegada deste festejo sazonal que envolve crianças e educadoras na concepção dos presentes para este dia.

Contamos com a presença de todos os Pais para encherem com muitos sorrisos as paredes dos colégios!

Deixo ainda uma sugestão de leitura, de reflexão e um guia prático: “Pê de Pai”.
Um livro editado pelo “Planeta Tangerina”, (e premiado com uma menção honrosa numa exposição organizada pela Book Art Foundation, Alemanha), que penso que se enquadra em pleno com a figura paternal que os nossos filhos têm a sorte de ter, e a sua leitura é bastante oportuna no dia que vamos festejar.

Ana Bagão

[imagem de http://girofle-girofla.blogspot.com]

quarta-feira, 12 de março de 2008

Visita Virtual ao Fluviário de Mora!

Fizemos uma visita virtual ao fluviário de Mora.

No decorrer do nosso projecto chegámos ao Alentejo. Como Mora fica muito longe, sentámos-nos todos no gabinete e fizemos uma visita virtual pelo fluviário, foi muito divertido!

Depois cada um de nós fez uma espécie deste fluviário e agrupámo-los neste aquário gigante por conjuntos.

Vejam lá se os conseguem identificar?

video

Nesta actividade a criança teve a oportunidade de aplicar alguns dos seus conhecimentos matemáticos que foi adquirindo ao longo do ano, como a seriação, classificação, ritmo e número.

Maria Rodrigues
Externato Santa Maria do Mar

Versos de Fazer ó-ó 2

"O sono é uma casa

sem portas nem janelas,

é um barco de papel

irmão das caravelas

que adormece com o embalo

que o vento lhe dá nas velas"

Externato Santa Teresinha de Lisieux

terça-feira, 11 de março de 2008

Canções e Danças Infantis de S. Tomé e Príncipe 2

"Janela de vidro menina Fernanda...
Olha que a Fernanda quer casar contigo!
Outro diz que sim, outro diz que não
Eu fui à janela, encontrei o João!"


"Papagaio Louro de bico dourado,
leva mi esta carta ao meu namorado
se ele esta dormi tu bates a porta,
se ele esta acordado entrega-lhe esta carta
ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWYZ "

Jacquelina Lima
Maria Bívar
Externato Santa Teresinha da Lisieux

segunda-feira, 10 de março de 2008

Versos de fazer ó-ó

"Há um sonho que se deita
ao teu lado a dormir,
enquanto a noite espreita,
com vontade de sorrir
por vê-los assim juntinhos,
sem desejo de partir."

Externato Santa Teresinha de Lisieux

domingo, 9 de março de 2008

Literacia Emocional

"Um dos factores mais importantes para o desenvolvimento psíquico das crianças e dos adolescentes reside na capacidade de os adultos saberem ler as suas emoções. Para nos podermos conhecer a nós próprios, precisamos de alguém que primeiro nos faça isso. De um adulto que nos oiça, entenda e ajude a decidir sobre o que fazer. É essa uma das principais tarefas dos pais durante o crescimento dos filhos: dar a conhecer, para que cada um se possa conhecer e também assim consiga conhecer os outros. E os pais que conhecem bem os filhos fazem-no intuitivamente. Mesmo sem palavras, conseguem perceber a variação de estados afectivos comuns como a alegria, a tristeza, a ansiedade. Estão atentos a todas as formas de comunicação dos filhos e sabem que o inverso também é verdade, pois as crianças e os adolescentes intuem muito bem as emoções dos pais.
À capacidade de ler os afectos dos outros chamamos literacia emocional".

"Quero-te muito" Crónicas para Pais sobre os Filhos, de Pedro Strecht.

Carmo

Mãos à Obra

Por vezes andamos à procura de espaços com interesse, ideias com interesse ou simplesmente sites com interesse. Aqui está uma loja em Leça da Palmeira onde uma ideia se transformou num projecto; um projecto num espaço e um espaço num site. Todos com interesse para quem gosta de estar e de partilhar vivências com os mais pequenos.


Acho que a filosofia da loja impõe uma visita, presencial ou virtual.

Ana Bagão

Mais informações em: http://maosaarte.blogspot.com/

[fotografia extraída do sítio da «Mãos à Arte»]

quinta-feira, 6 de março de 2008

Conta a Lenda 4

Sabem porque é que a Serra da Estrela se Chama assim?

Nós sabemos! Conta a Lenda… que há muito, muito tempo, numa aldeia, havia um pastor que todos os dias subia ao monte para pastar as suas ovelhas. Ele tinha um desejo enorme, que era conhecer o que havia do outro lado daquele monte.

Um dia ele teve um sonho! Sonhou com uma estrela que o encorajou a concretizar o seu desejo, e que se comprometeu a ajudá-lo.

O Pastor partiu então atrás da estrela que o guiou. O Pastor subiu, subiu, subiu, até chegar ao cimo da Serra mais alta de Portugal (continental). Ficou então maravilhado com o que viu e não mais saiu daquele lugar, que ficou conhecido como a Serra da Estrela.

Nós pintámos a Serra da Estrela e identificámos o ponto mais alto. Sabem que agora está lá a nevar? A Teresinha foi ver neve e contou-nos como é!


No alto daquela serra...

Externato Santa Maria do Mar

[Fotografia de João Afonso / Extraída de picasa.web.com]

quarta-feira, 5 de março de 2008

Canções e Danças Infantis de S. Tomé e Príncipe

A Jacqueline estagiária da Crinabel está em formação connosco há um mês.
Participativa como é, ensinou aos meninos canções e danças de S. Tomé e Príncipe

"Mama não mi leva para a escola hoje,

é dia primeiro de Junho!

Mama hoje é dia de festa, festa primeiro de Junho!

Cá roda, roda nhá saia, saia de mim, tome!

Un ganha sapato novo, un ganha vestido novo!

Mama hoje é dia de festa, festa primeira de junho!"

"O barco virou, deixou de virar
é por causa da menina...
que o barco virou, virou."

"Eu fui a ponte

Buscar a água

Mas não tinha companheira

Se tu quiseres mi acompanhar

A Rosita e a prima dela

Brincamos todos juntos

Cair no chão wé

Cair no chão wé

Minha tia não mi bateu

Por ter muitas dores, muitas dores...

"Eu fui ao jardim da Celeste
jiro flem, jiro flam

O que foste lá fazer?
jiro flem, jiro flam

Fui a busca de uma rosa
jiro flem, flim, flom
Para quem é esta rosa?
jiro flem, jiro flam
Esta rosa é para a menina...
jiro flem flim flom

Que ofício lhe darás?
jiro flem, jiro flam
Que ofício lhe darás?
jiro flem, flim, flom
O ofício de cozinheira
jiro flem , jiro flam
O ofício de cozinheira
jiro flem, flim, flom
Quantos contos por um mês?
jiro flem, jiro flam

500 contos por um mês!
jiro flem flim flom

Ela que vai agradecer
jiro flem,jiro flam
Ela que vai agradecer
jiro flem, flim, flom"
Combinámos ir ao Externato Santa Maria do Mar ensinar estas e outras canções e danças de São Tomé e Prìncipe.

Maria Bívar

Externato Santa Teresinha de Lisieux

terça-feira, 4 de março de 2008

Uma Bela História Deve Encantar...

"Uma bela história deve encantar, como o faz uma bela escultura ou um belo quadro.
Na economia da vida, a sua função é dar alegria, pois só esta acorda o espírito e conduz incessantemente a consciência para curiosidades sempre renovadas (...) para a criança como para o sonhador, todas as coisas são possíveis.
As rãs podem falar, os ursos transformar-se em príncipes (...) uma bengala tornar-se um cavalo, uma cómoda uma carruagem a seis cavalos, um tapete de quarto um campo de batalha , uma tira de papel uma coroa real."

Raconter des Histoires à nos Enfants
Sarah Cone-Bryant

Externato Santa Teresinha de Lisieux
Carmo Vasconcelos

domingo, 2 de março de 2008

Ainda sobre a “Colecção de Clássicos da Literatura Portuguesa contada às crianças”


Eça de Queiroz e Gil Vicente

1 – A Criança
Depois de milhares de investigações sobre o seu desenvolvimento, descobre-se que a criança precisa de ser olhada e vista. Segundo o Dr. João dos Santos há um desconhecimento real do que é uma criança.
Nós ainda continuamos convencidos que os nossos meninos não vêem nada, não ouvem nada e não percebem nada.
“Nunca sabemos bem o que uma criança entende ou não entende e quais os caminhos do seu entendimento.” (Sophia de Mello Breyner).
Ao ler um texto a uma criança, ela pode não compreender algumas palavras, mas vai enriquecendo o seu vocabulário e a sua imaginação.
Nas lengalengas e nas cantilenas há muitas palavras inventadas e frases sem sentido, onomatopeias e interjeições. Os meninos repetem, decoram e querem mais.

2 – O Texto Literário
No ensino secundário aprendemos que no texto literário a palavra tem uma finalidade diferente da palavra num texto informativo.
A palavra é, no dizer de Luiz de Lima Barreto “Um material com que se constrói um objecto artístico (…) o escritor procurará, de cada vez que se serve das palavras, que elas surjam como novas, numa busca idêntica à do pintor, que procura em cada quadro que as cores traduzam novas formas, novas dinâmicas, novos volumes, ou ao trabalho do músico, que em cada composição procura que os sons já utilizados tantas vezes, surjam como se tivessem sido inventados naquele instante.”
Daí que o estilo de cada criador seja pessoal e intransmissível. Não se confunde Velásquez com Picasso ou Mozart com Ravel, nem um soneto de amor de Camões com outro de Florbela Espanca.
No suplemento “Actual” do semanário Expresso, de 16 de Fevereiro, o jovem escritor José Luís Peixoto teve honras de capa. Podemos ler na pág. 10: “… o estilo de Peixoto está todo ali: um denso negrume existencial, aliado a um ritmo encantatório, feito de frases bem desenhadas, repetições, síncopes, crescendos e um lirismo sempre à beira do derrame.”
Aqui se refere a relação entre significante e significado. A forma e o contudo estão intimamente relacionados.

3 - A Literatura Portuguesa contada às crianças
A propósito de adaptações, Pennac é radical: “Pegarão nas tesouras da imbecilidade e cortarão o que consideram demasiado difícil para as crianças”

3.1 – Os “Maias” de Eça de Queiroz
A adaptação foi feita por José Luís Peixoto.
É extraordinário que J.L.Peixoto e outros escritores de renome aceitem a incumbência de assassinar a literatura portuguesa.
Na adaptação de “Os Maias” pouco existe de Eça, além da série de segredos, traições, fugas, aparecimentos, suicídios, adultério e incesto.
Em vez de um relato factual, porque não fazer a revelação criativa da sua literatura? O capítulo III, em que Eça conta a educação de Carlos e do Eusèbiozinho, é um exemplo claro, divertido e acessível para os mais novos, onde podemos saborear a arte do escritor.
Eça trabalhava a sua linguagem até à perfeição: “… Essencial é dar a nota justa; um traço justo e sóbrio cria mais que a acumulação de tons e de valores, como se diz em pintura” (Eça de Queiroz).

3.2 – “Auto da Barca do Inferno” de Gil Vicente
Na adaptação, Rosa Lobato de Faria declara a sua intenção:
“… Transformar o que ele fez em linguagem de hoje em dia”.
Pegou no Auto e substituiu tudo o que lhe apeteceu. Deve achar assim muito mais engraçado, como se Gil Vicente precisasse de transformação.
No tempo em que no Teatro Nacional havia tardes clássicas, um menina de quatro anos adoptou o “vicentês” no seu dia a dia: “ Venha asinha!; Pêra onde is?; Sapatos tens amarelos” !!!
Não precisou que lhe explicassem nada.
No Auto da Barca as personagens permanecem actuais. Os diálogos são riquíssimos. Cada figura fala de acordo com as suas características. O Diabo dirige-se a cada uma conforme a sua condição social, de um modo satírico de que resulta uma linguagem pitoresca, colorida e de grande comicidade. O Anjo mantém sempre um tom hierático.
Vejamos algumas adaptações:
G.V. – Diabo: “- Ó precioso D. Anrique”
Adaptação: - Vem ali o D. Henrique.
G.V. – Anjo: “Não se embarca tirania/neste batel divinal”
Adaptação: - Fidalgo, tende juízo/aqui não podeis entrar.
G.V. – Frade: “Como! Por ser namorado/e folgar com ua mulher/se há-de um frade perder/com tanto salmo rezado?
Adaptação: - Sois o frade comilão/que de comer se finou.

Aqui Rosa Lobato de Faria resolve que os meninos não devem saber da amante do frade, a senhora Florença, que no dizer do Parvo é um “trinchão” (bom bocado). E transforma o frade num comilão. Omite também a lição de esgrima.
G.V. – Diabo: “Padre, haveis logo de vir.”
Adaptação: - Subi lesto. Ponde o pé/e acabou-se o “conversê”.
Encontramos no Auto, latim de Igreja. Latim macarrónico: “Rapinaste coelhorum/et pernis perdigotorum.
Há pragas e insultos: “perna de cigarra velha/pelourinho da Pampulha” (e assim ficamos a saber que em 1516 já existia o lugar da Pampulha!).
Há cantos e danças portugueses e castelhanos; evocações a Santos como Santa Joana Valdez e Garcia Moniz que são alusões jocosas a figuras da época.
R.L.F. não gostou do sentido religioso do Auto e mutilou a última cena.
Diz o Anjo: - “Ó cavaleiros de Deus/que a vós estou esperando/ que morreste pelejando/por Cristo Senhor dos Céus./Sois livres de todo o mal,/santos por certo sem falha;/que quem morre em tal batalha/merece Paz eternal”.
Este final foi substituído por:
- Assim termino eu/ o Auto do Gil Vicente.
Rosa Lobato de Faria terá pedido autorização ao dito Gil Vicente para fazer este cozinhado???
Brada aos Céus!!!

Marta Ribeiro
28/02/2008

Um sorriso de orelha a orelha...

Um sorriso de orelha a orelha foi o que surgiu nos rostos dos meninos do Externato Santa Maria do Mar, quando a Carmo voltou com as mãos cheias de uma surpresa que os Meninos do Externato Santa Teresinha de Lisieux tinham preparado para nós.


Depois de um programa fracassado pela intervenção de S. Pedro, que não nos deixou ir fazer uma visita de estudo ao Mercado de Arroios, e depois da forma compreensiva com que todos os meninos o entenderam, uma alegria imensa voltou a pairar no colégio quando a Carmo chegou.


E a razão não era para menos! Os meninos do Externato Santa Teresinha de Lisieux souberam do tema do nosso projecto e lembraram-se de fazer uma receita do Mundo. Pesquisaram e escolheram a Tarte da Noruega para nos presentearem. Confeccionaram-na em conjunto e enviaram-na para o nosso lanche através da Carmo.

Nós comêmo-la ao lanche. Não sobrou nada! Estava muito boa. Uma delícia! Muito obrigada!

Agora é a nossa vez de vos surpreendermos. Já estamos a preparar…

Os Meninos do Externato Santa Maria do Mar